Envie esse conteúdo para o email de um amigo Exibe a versão de impressão da página Retorna para a página anterior

Condomínios verticais conquistam brasilienses
(18/11/2005 - 16:47)

JC Gontijo  investe neste filão, que alia segurança e praticidade

A crescente demanda por imóveis que aliem segurança e lazer está provocando o êxodo da classe média para cidades do DF e mudando o mercado imobiliário do Distrito Federal. Cada vez mais as construtoras investem nos condomínios fechados verticais e comemoram o resultado. A explicação é simples: "As pessoas querem segurança, praticidade e lazer perto de casa", aponta Rodrigo Nogueira, sócio da construtora JC Gontijo.

A construtora fez uma pesquisa avaliando o crescimento urbano e o perfil dos consumidores brasilienses. "Há uma demanda reprimida por esse segmento porque não há mais áreas disponíveis em Brasília que permitam aliar qualidade de vida e segurança", acrescenta Luiz Carlos Botellho, vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon) no DF. Prova disso é que a JC Gontijo vendeu 90% das 360 unidades de um condomínio do gênero no Guará, em apenas 40 dias.

A tendência concentra-se nas cidades do DF porque o Plano Piloto é Patrimônio da Humanidade e não pode sofrer intervenções. O novo boom começou em Águas Claras e no Guará, devido à proximidade com o Plano.

Rodrigo Nogueira lembra que o conceito é o mesmo verificado em várias capitais, a exemplo de São Paulo, onde as pessoas buscam se afastar do centro para melhorar a qualidade de vida. Além disso, o plano diretor dessas cidades permite a expansão dos condomínios fechados. O empreendimento da JC Gontijo tem área de 70 mil metros quadrados, algo impensável no Plano. O administrador do Guará, Heleno Carvalho, acha que o alto padrão dos condomínios valoriza a cidade e facilita a vida das administrações regionais. "As construtoras arcam com a estrutura pública como praças e áreas de lazer", observa.

O presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi), Adalberto Valadão, explica que a aceitação do mercado acena para novos projetos. O público alvo é a classe média do DF, que lidera o ranking de renda per capita do País. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o ganho médio no DF é de R$ 16,9 mil. O custo médio do metro quadrado desse tipo de empreendimento é de cerca de R$ 3 mil. Ainda pensando em ampliar o filão de mercado, as construtoras já trabalham com vários tipos de financiamento.



 
Quem faz: